Material para Concurso de Sargentos

quinta-feira, 14 de abril de 2011

Dhiego Coelho defende movimento dos policiais civis

 

Dhiego Coelho: "Vamos lutar pelo que for melhor para o povo de Roraima"


Com o tema “Abre o olho polícia civil”, 70% da classe paralisaram as atividades nesta quinta-feira (14).  Segundo o Sindicato dos Policiais Civis de Roraima (Sindipol), o manifesto foi de apenas 24h em caráter de advertência. Os manifestantes utilizaram a tribuna Hesmone Granjeiro, na Praça do Centro Cívico, em frente à Assembleia Legislativa (ALE-RR), para chamar a atenção da sociedade quanto aos problemas que a classe está enfrentando.

O deputado estadual Dhiego Coelho (PSL), disse estar sensibilizado com os problemas da classe e que esta junto com os policiais nesta luta contra a injustiça dentro da segurança pública de Roraima. “Vamos botar a boca no trombone e reivindicar o que for melhor para todo o povo de Roraima que merece um serviço de segurança digno”, afirmou o deputado.

Os policiais civis estão cobrando do Executivo a alteração da legislação estadual em vigor, para que se contemple os nove cargos conforme benefícios da lei 131, cumprindo o que determina a Constituição Federal (CF) e a Lei 51/85,com aposentadoria especial e o tratamento igual para todos os servidores da Polícia Civil (PC) com o mesmo interstício para progressões salariais. Melhoria na estrutura física das delegacias foi mais um item reivindicado durante o protesto.

Na tribuna, o presidente do Sindipol, José Nilton, disse que atualmente os nove cargos da PC recebem salário-base mais gratificações. De acordo com ele, se eles se aposentarem hoje receberiam apenas o salário-base. “É uma injustiça o que esta acontecendo com a nossa classe. Somente um cargo esta dentro da Lei 131 e os outros estão na Lei 132. Não tem motivo para toda essa diferença, todos somos policiais civis”, afirmou Nilton.

Precariedade e decisão do protesto

Nilton falou também que, além dessa injustiça, a estrutura da PC no Estado é precária: delegacias sem manutenção, viaturas inapropriadas, falta de material para o trabalho como papel, cartucho de impressora e computadores. A decisão do protesto foi tomada em assembleia no dia 9 de abril, quando os policiais civis votaram a favor da paralisação de advertência em todo o Estado, que teve como meta atingir os 15 municípios de Roraima.

O problema teve início em 2008. As dez categorias eram regidas pela lei complementar estadual 055/2001 e, com
a criação das Leis Complementares Estaduais (LCEs) para regimento da categoria, a LCE 131 e LCE 132, que regem a classe dos delegados, os demais nove cargos tiveram diferenciação entre os profissionais da PC.


Fonte: Fato Real

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários publicados neste blog deverão ser identificados, não sendo mais permitidos comentários anônimos. Para poder comentar você deve fazer parte deste blog clicando em "CADASTRE-SE NO BLOG - Fazer parte deste site".

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.