Material para Concurso de Sargentos

terça-feira, 21 de junho de 2011

Coronel da PMRR está envolvido na compra de votos


Uma reportagem da Folha de Boa Vista veiculou nesta terça-feira (21), o envolvimento do Coronel PM Edson Prola da Polícia Militar de Roraima com supostas compras de votos.

A decorrência deste resultado se deu em virtude das investigações realizadas no aparelho celular do empresário Vibaldo Nogueira Barros (Vivi), acusado de matar outro empresário da aviação civil Francisco Mesquita. Foram enviadas mensagens de texto para o referido Coronel da PM, para um secretário e também para o atual Governador José de Anchieta Júnior.

Veja a reportagem:

Por: ÉLISSAN PAULA RODRIGUES


O laudo de exame pericial criminal feito pela Secretaria Estadual da Segurança Pública no aparelho celular do empresário Vibaldo Nogueira Barros, o Vivi, acusado pelo assassinato do também empresário Francisco Mesquita, no dia 12 de maio passado, o relaciona diretamente ao governador Anchieta Júnior (PSDB). A Folha teve acesso ao documento de 46 páginas, datado no dia 10 passado, e assinado por dois peritos criminais designados pelo diretor do Instituto de Criminalística da Polícia Civil, que também é perito criminal e atestou o laudo.

A perícia foi realizada em quatro aparelhos celulares, o primeiro deles, ao ter o cartão de memória conectado nos computadores do laboratório, visualizou nitidamente o nome “Vivi”, como é conhecido Vibaldo. Também o aparelho celular do empresário morto, Francisco Mesquita, foi analisado pelos peritos. Outro aparelho pertenceria supostamente a Cirilo Barros Ferreira, primo de Vivi e acusado de ter efetuado os disparos contra o empresário assassinado. No laudo constam as mensagens enviadas e recebidas, as ligações feitas e recebidas, e as agendas dos aparelhos telefônicos.

Vivi enviou mensagens, conforme o laudo, a Anchieta Júnior, ao chefe da Casa Militar do Governo de Roraima, coronel Edison Prola, e a um secretário extraordinário. Em seu aparelho, o telefone pessoal do governador foi salvo com o nome “Anxieta”. Em uma das mensagens enviadas a Anchieta, o empresário informa que em Santa Maria do Boiaçu, localidade situada na região do Baixo Rio Branco, existem 40 votos, e afirma que custam R$ 4 mil. O texto foi enviado dia 30 de outubro do ano passado, às 19h55, na noite anterior ao segundo turno das eleições para o Governo do Estado. Já no dia 23 de outubro ele enviou mensagem ao governador afirmando: “foi muito bom hoje”.

A maioria das mensagens foi enviada a Edison Prola e a outro contato gravado como “Marcelo anx”, ex-cunhado de Anchieta, que seria secretário extraordinário do governo e que intermediaria a negociação com o empresário. A esse contato ele informou no dia 27 de outubro ter R$ 400 mil e precisar de outros R$ 200 mil com urgência. Para “Marcelo” foram enviadas várias mensagens, no dia 22 de outubro do ano passado, uma sexta-feira. Eles estariam planejando uma viagem, possivelmente para o interior do Estado, e o empresário enviou mensagem informando a presença da Polícia Federal, sem detalhar o local em que estaria. “Deu Zebra, estou pousado”, disse.

Depois, ele enviou novas mensagens informando estar pousado em uma fazenda de propriedade de um conhecido produtor local e questionando se poderia pousar na residência, em alusão ao Conjunto dos Executivos, onde mora Anchieta Júnior. “Posso plzar na rez [posso pousar na residência]. Estou polzado [pousado] perto. Serra grande. Tinha PF [agentes federais] no local. Aonde vol polzar [vou pousar] agora? Aqui ta tudo bem”, diz ele a Marcelo.

A mesma mensagem pedindo para pousar na residência oficial do governador foi enviada ao chefe da Casa Militar, Edison Prola. O contato não estava gravado no celular de Vivi, mas as mensagens eram enviadas ao telefone particular do coronel. “Poso polzar rez gov”. Em outro contato feito com Prola, no dia 30 de setembro passado, ele pergunta se o secretário de Estado quer em cheque ou se vai esperar o banco abrir, sobre um possível repasse de dinheiro. “Vc [você] quer em cheque ou vai esperar o banco abrir”, diz Vivi.

PREVENÇÃO - No documento a que a Folha teve acesso, os peritos informam ter tomados precauções para evitar quaisquer tipos de adulteração dos dados fruto da análise.  “Qualquer adulteração do material questionado após esta análise pericial poderá ser descoberta com o confronto da numeração hexadecimal gerada pelas chaves criptográficas contidas em nosso registro”, diz o laudo. A metodologia, segundo eles, foi adotada para assegurar a integridade plena do material examinado.

OUTRO LADO – A Folha procurou o governo para se posicionar com relação às conversas descritas no laudo. O coordenador da Comissão Eleitoral da coligação na eleição passada e atual vice-governador, Chico Rodrigues, disse ter levantado algumas das informações e chegado à conclusão de que não há vinculação entre os dados do laudo e a conduta do governador Anchieta Júnior. “Entendo que estão tentando criar um fato para influenciar o julgamento de amanhã [hoje]. Querem criar problemas nas ações [judiciais] a que estamos submetidos. Tão somente isso”.

Vídeos com cunho eleitoral também foram encontrados

Registros digitais de material audiovisual e conteúdo eleitoral também foram encontrados pelos técnicos na perícia feita no aparelho celular de Vibaldo Nogueira Barros. No trabalho os peritos distinguiram as falas de cada interlocutor, tentando identificar cada um deles.

No primeiro vídeo, um dos interlocutores faz uma espécie de entrevista amadora filmando apenas uma pessoa, que seria o “entrevistado”.  Na “conversa”, um interlocutor pergunta a uma pessoa identificada como Donizete qual a “situação de Anchieta” “lá pra baixo” e cita a comunidade de Água Fria, no município de Uiramutã, no nordeste do Estado. Em outro trecho o “entrevistado” diz que o governador teria que andar nas comunidades situadas na região da Raposa Serra do Sol.

O segundo vídeo, também no mesmo formato, mostra uma criança chamada de “Ronikele” que é questionada sobre em quem vai votar. Uma pessoa que aparece com a criança no colo afirma: “Fala Anchieta, fala”. E a criança repete: “No Anchieta”. No meio da conversa a própria criança afirma: “Mas pra votar mesmo tem que ter bicicleta, né?”. Outro interlocutor diz: “Eu vou falar pra ele te dar uma bicicleta, você quer?”. A criança acena com a cabeça e o vídeo é encerrado.

No terceiro vídeo, também uma espécie de entrevista, um morador de Santa Maria do Boiaçu, na região do Baixo Rio Branco, aparece agradecendo o governador por ter transportado o filho dele, possivelmente em uma aeronave.

HISTÓRICO – No dia 12 de maio, o empresário Francisco Mesquita, proprietário da Meta Taxi Aéreo, foi morto a tiros em frente a uma pizzaria no bairro Aparecida. Vibaldo Nogueira Barros e Cirilo Barros Ferreira foram indiciados dias depois pelo homicídio.

Vibaldo, conhecido como Vivi, é dono da Paramazônia Táxi Aéreo, que concorria com a Meta em várias licitações públicas, e uma delas teria motivado o crime. A empresa presta serviço de transporte aéreo para o Governo do Estado.

Um dos últimos convênios firmados entre o Estado e a empresa, no valor de R$ 2,5 milhões, com a Casa Militar, tem por objetivo o serviço de transporte de pessoal em monomotor e helicóptero.

Fonte: Folha de Boa Vista

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários publicados neste blog deverão ser identificados, não sendo mais permitidos comentários anônimos. Para poder comentar você deve fazer parte deste blog clicando em "CADASTRE-SE NO BLOG - Fazer parte deste site".

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.