Material para Concurso de Sargentos

sexta-feira, 30 de setembro de 2011

Tenente-coronel denuncia retaliação na PM

Tenente-coronel Vasco Jones: “A política não pode interferir na parte interna da corporação”

VANESSA LIMA

O tenente-coronel Vasco Jones afirma que está sofrendo retaliações e assédio moral dentro do Comando da Polícia Militar. Depois de denunciar a situação crítica de destacamentos, pelotões e casas de apoio aos policiais no interior do Estado, o oficial disse que vem sendo tachado de “oposicionista” e não foi promovido a coronel por perseguição.


Lotado no cargo de ajudante geral, ele explicou que tudo o que acontece na corporação deveria passar por ele. Mas desde março, após a publicação da matéria na imprensa, a situação é outra. “Sou como se fosse o prefeito do quartel. Tudo deveria passar por mim. O comandante despachava comigo, mas isso não ocorre mais. Ele despacha com terceiros”, destacou o tenente-coronel.

Uma suposta filmagem feita do oficial no comício do adversário nas eleições do governador Anchieta Júnior (PSDB) seria o motivo de o militar não ter recebido promoção, o que já era certo, segundo ele. Já que o critério é merecimento, o próprio chefe do Executivo teria prometido a vaga.

Nem mesmo os 30 anos de corporação, sendo o tenente-coronel o mais antigo do quadro da PM, foram levados em consideração. “Esperava profissionalismo por parte do comandante-geral. A política não pode interferir na parte interna da corporação. Eu e outros tachados como de oposição sofremos essa perseguição injusta”, declarou o oficial.
Na lista de pontuações, onde consta todo o desempenho do militar, suas capacitações, capacidade física e outros, o tenente-coronel Vasco ficou em terceiro para receber a promoção. Todo o detalhamento das pontuações, que foi requerido pelo oficial, está na ata de reunião da Comissão de Promoção, composta pelo comandante-geral da PM, sub-comandante-geral e por mais dois oficiais escolhidos pelo superior.

O tenente-coronel Vasco denunciou vícios no andamento do processo. Segundo ele, um dos convocados para compor a comissão era um dos que concorriam à promoção e o outro era irmão também de um militar cotado para subir de patente. O primeiro se absteve de votar e o outro só não avaliou o desempenho do irmão, mas pontuou o restante dos concorrentes.

“Está tudo viciado. A forma que essa promoção foi feita é imoral e irregular. Toda essa situação fere o princípio da legalidade, moralidade e impessoalidade. Dei ciência dos fatos ao Ministério Público de Roraima e à Ordem dos Advogados do Brasil”, destacou ao frisar que deveria haver uma auditoria na PM para averiguar todas as denúncias feitas pela imprensa.

Condições do prédio são precárias, diz oficial

image

Oficial afirma que instalações que ficam aos fundos do prédio do Comando da PM são precárias

O tenente-coronel Vasco Jones denunciou ainda as condições precárias das instalações que ficam aos fundos do prédio do Comando da PM. Segundo ele, os pombos e ratos tomam conta do forro das salas que exalam um forte odor.

Na Corregedoria da PM, por exemplo, é quase impossível ficar dentro da sala. Ele lembrou o caso de um cabo que a família acusa de ter morrido depois de inalar fezes de pombo.

PM – A Folha tentou contato com o comandante da PM, Gleysson Vitória, para falar sobre as acusações, mas não obteve êxito via celular. A assessoria de comunicação do Comando Geral informou que ele estava participando de uma reunião e tentaria contato. Até o fechamento da matéria, às 20h, não houve resposta.

Militares dizem que existe política salarial desigualitária na administração estadual

Os benefícios salariais concedidos aos procuradores do Estado, que tiveram a remuneração elevada ao teto constitucional, e o anteprojeto de lei que ora se discute para elevar o subsídio dos servidores da Polícia Civil a partir do ano que vem, comprometendo 95% do orçamento da instituição somente com pessoal, tem gerado descontentamento em outras categorias que há anos lutam por melhorias salariais.

“Mais uma vez vemos o que ocorreu em 2008, o governo privilegiando uma categoria em detrimento das outras, tudo por questão de conveniência. A situação está difícil para os policiais e bombeiros militares do Estado de Roraima, sempre com a desculpa de crise, de que o Estado está sem dinheiro ou algo assim. O atual governador desdenha da categoria”, desabafou o militar Manoel Nazário Ferreira, membro da Associação dos Policiais e Bombeiros Militares (APBM).

Ele afirmou que a forma como governo está agindo pode culminar em uma greve geral dos servidores. “Ele [Anchieta Júnior] afirmou várias vezes que teria uma política salarial igualitária, mesmo que ineficiente e injusta, para os servidores e o que vemos é o uso de mecanismos indiretos para encobrir tais aumentos”, destacou Nazário.

Conforme detalhou o policial, a administração pública está comprometendo o orçamento de 2012 a 2014 sem se preocupar com o que diz a legislação. Em 2008, foram concedidos 42% de aumento para a Polícia Civil, e teria prometido dar aumento para os militares a fim de corrigir essa distorção.

“Fica tudo na base da promessa, nada é cumprido. Foi informado que o governo contrataria uma empresa para fazer um estudo e criar uma política salarial igualitária, mas o que a gente vê é que nada disso aconteceu. Continua a mesma política de tratar as categorias de forma desigual. Para os militares e professores não tem conversa de aumento salarial. A única coisa que nos é concedida são os 4,5% referentes à reposição salarial”, disse.

A categoria está organizando uma assembleia geral, ainda sem data definida, cujo assunto será debatido para deliberar o que deverá ser feito no sentido de buscar melhores condições salariais para os policiais e bombeiros militares.

“Caro governador, as categorias estão esperando uma reunião para tratar das demandas e necessidades. Será que o senhor respeitará as demais categorias ou fará de conta que elas nem existem?”, questionou Nazário.

GOVERNO - O secretário de Comunicação, Rui Figueiredo, afirmou existir uma empresa trabalhando em um diagnóstico sobre a estrutura dos cargos e salários da administração pública e disse não haver privilégios de umas categorias em relação a outras.  

Fonte: Folha de Boa Vista

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários publicados neste blog deverão ser identificados, não sendo mais permitidos comentários anônimos. Para poder comentar você deve fazer parte deste blog clicando em "CADASTRE-SE NO BLOG - Fazer parte deste site".

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.